sexta-feira, 18 de dezembro de 2015

Universidade Austríaca Retira Título de Doutor de Prêmio Nobel Nazista

 
Repasso a notícia acima, em alemão. Acho que pode servir de espelho para acadêmicos que silenciam ou tergiversam a tomar atitudes sérias frente às diversas expressões das discriminações institucionais nas universidades brasileiras.

Konrad Lorenz faleceu em 27 de fevereiro de 1989, foi um dos fundadores da moderna Etiologia, aplicável à Psicologia e à Sociologia, tendo dividido o Prêmio Nobel de Fisiologia e Medicina de 1973 com Nikolaas Tinbergen e Karl von Frisch. Seu livro mais conhecido é o "Sobre Agressão", de 1966.

Pois bem, segundo repassado pela colega que originalmente divulgou a notícia, a Universidade de Salzburgo decidiu, em 2014, investigar o passado nazista de personalidades academicas tidas como honradas.

Veio à tona que o laureado Lorenz coadunava com a ideologia nazista, tendo publicado em 1940, por exemplo, um artigo, na "Revista para Psicologia Aplicada e Ciência do Caráter", com o título "Distúrbos do Comportamento Caracteristico da Raça Provocado por Meio de Domesticação".

Nesse artigo, ele escreve o seguinte (livre tradução): "Há uma forte analogia entre um corpo humano invadido por câncer e uma nação afligida por subpopulações cujos defeitos inatos tornam-nas deficiências sociais. Tal qual no câncer, em que o melhor tratamento é erradicar o crescimento parasítico tão rápido quanto possível, A DEFESA EUGÊNICA CONTRA EFEITOS SOCIAIS DISGÊNICOS [que afetam de maneira deletéria gerações futuras, por meio da hereditariedade de características indesejáveis] DE SUBPOPULAÇÕES AFLIGIDAS É NECESSARIAMENTE LIMITADA A MEDIDAS IGUALMENTE DRÁSTICAS (...) QUANDO ESSES ELEMENTOS INFERIORES NÃO SÃO EFETIVAMENTE ELIMINADOS DE UMA POPULAÇÃO (SADIA), ENTÃO - COMO QUANDO SE PERMITE QUE AS CÉLULAS DE UM TUMOR MALIGNO PROLIFEREM NUM CORPO HUMANO - ELES DESTROEM O CORPO HOSPEDEIRO E A SI MESMOS".

Enfim. Concluído o processo de análise, a Universidade de Salzburgo decidiu revogar, nesta quinta-feira, 17 de dezembro, o título de doutorado de Konrad Lorenz.
 

domingo, 13 de dezembro de 2015

Corpos Trans! Visibilidade das Violências e das Mortes


No artigo científico CORPOS TRANS! VISIBILIDADE DAS VIOLÊNCIAS E DAS MORTES, publicado na Revista Transversos, da Universidade do Estado do Rio de Janeiro - UERJ, o amigo historiador e professor da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro - UFRRJ, Fábio Henrique Lopes, analisa a violência contra pessoas trans a partir de casos publicados pela imprensa, demonstrando como ela resulta de uma sociedade fundamentalmente heterossexista, cissexista e transfóbica.

O texto está disponível no link http://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/transversos/article/view/19793/14347

quarta-feira, 9 de dezembro de 2015

Visita ao Vereador Jefferson Moura

Hoje entreguei um exemplar do livro Homofobia: Identificar e Prevenir ao vereador Jefferson Moura (Rede/RJ), presidente da Comissão Permanente de Defesa dos Direitos Humanos da Câmara Municipal do Rio de Janeiro.

Ele pretende, para 2016, aprofundar discussões que já promove, por meio de seu mandato, sobre o enfrentamento à discriminação, principalmente no campo da Educação.



Transexualidade e Contemporaneidade: Contribuições da Psicologia


segunda-feira, 7 de dezembro de 2015

Revista Mente e Cérebro - Qual é o seu Gênero?

Capa da Revista Mente e Cérebro, edição de dezembro, já nas bancas, que traz, a partir da página 34, meu artigo Qual é o seu Gênero?


domingo, 6 de dezembro de 2015

QUAL É O SEU GÊNERO?

Artigo de minha autoria publicado na edição de dezembro da revista Mente e Cérebro.
Já nas bancas. Você também pode adquirir em http://bit.ly/1TuMU8h

video

sábado, 5 de dezembro de 2015

Lançamento do livro Homofobia: Identificar e Prevenir

video

Oficina de Cuidado entre Trans


OFICINA DE CUIDADO ENTRE TRANS

Reunião de qualificação para a 3ª Conferência Estadual LGBT do Rio de Janeiro
Grupo Pela Vidda, Centro, 04/12, das 17h às 21h.

Muito obrigada pela honra de ter facilitado esse encontro de afetos e saberes. Juntas e juntos somos mais fortes na luta contra a transfobia e o cissexismo (a ideia de que somente as pessoas cisgênero - não trans - são gente)!












sábado, 28 de novembro de 2015

LYRIC, A PRINCESA TRANS


No livro infantil O CORAÇÃO REAL, o príncipe Lyric se encontra com o espírito de sua avó, que o ajuda na transição para princesa, e acaba governando o reino como a princesa que ela sempre foi:
http://www.emneon.com.br/2015/11/a-primeira-princesa-de-conto-de-fadas.html#.VlnpD3arTIU

PREPARA NEM NO PRÊMIO FAZ DIFERENÇA 2015


O Prepara Nem está concorrendo ao premio Faz Diferença 2015  do jornal O Globo, na categoria Sociedade/Educação:


O Prepara Nem é um curso criado em 2015 para travestis, transexuais e transgêneros que desejam fazer o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), conta com 80 voluntários, em grande parte professores.

O curso oferece aulas gratuitas em espaços do Centro, como as sedes dos sindicatos dos jornalistas e dos petroleiros, para ajudar na inclusão social e educacional de pessoas em situação de vulnerabilidade e preconceito de gênero.

Eu já votei no Prepara Nem. Vote você também!
#PreparaNEM
#OGlobo
#PrêmioFazDiferença2015

sexta-feira, 27 de novembro de 2015

PROJETO “UM NOME PARA CHAMAR DE SEU”


Meninos e Meninas Trans e Travestis do Rio

PROJETO “UM NOME PARA CHAMAR DE SEU”

O projeto “Um Nome para Chamar de Seu” tem o objetivo de promover ações de retificação de registro civil de travestis e transexuais para alteração de nome e sexo.

O Núcleo de Prática Jurídica da FACHA (Faculdades Integradas Hélio Alonso) promove neste próximo sábado (28/11/2015) o mutirão para retificação de registro civil de travestis e transexuais.

O atendimento aos usuários será realizado no Núcleo de Prática Jurídica, na Rua Muniz Barreto, nº 51 – Botafogo, de 9 às 16 horas no dia 28 de novembro.

As pessoas interessadas caso tenham podem levar os seguintes documentos:

DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA AÇÃO DE REQUALIFICAÇÃO CIVIL OU RETIFICAÇÃO DE REGISTRO CIVIL (mudança de nome e/ou de gênero)

· Certidão de nascimento

· Identidade

· CPF

· Título de eleitor

· Certificado de reservista (caso possua)

· Comprovante de residência

· Comprovante de renda (carteira de trabalho ou extrato bancário dos últimos três meses ou contracheque recente)

· Fotos atuais (com familiares e amigos)

· Testemunhas (nome, endereço e telefone de pelo menos três pessoas)

· Laudo médico que ateste CID 10F64 (caso possua)

· Receitas médicas relacionadas à terapia hormonal

Mesmo que não tenha todos esses documentos pode ainda assim procurar o NPJ para viabilização do processo de retificação.

Para maiores informações favor contactar o email giowana.cambrone@facha.edu.br

quarta-feira, 25 de novembro de 2015

III Fórum Fale Sem Medo - 03/12, São Paulo/SP


III Fórum Fale Sem Medo debate violência contra a mulher no ambiente universitário, dia 03 de dezembro de 2015 - São Paulo/SP

A violência contra a mulher ocorre todos os dias, até mesmo em um ambiente onde estão sendo formadas as mentes que irão construir o futuro do mundo. Nós podemos transformar esse cenário.

O Instituto Avon, com apoio do Instituto Patrícia Galvão, realiza a terceira edição do FÓRUM FALE SEM MEDO.

As vagas são limitadas e as inscrições podem ser feitas aqui

A abordagem se dará sob vários formatos. O mais aguardado é a palestra do ativista e educador norteamericano Jackson Katz, que pela primeira vez falará com o público brasileiro. Katz é um dos líderes do programa Mentores para Prevenção da Violência, criado em 1993 para combater a violência de gêneros nos Estados Unidos.

O evento vai contar ainda com palestras de Ana Luiza Cunha, Fundadora do Geni, coletivo feminista da USP; Débora Diniz, antropóloga docente da Faculdade de Direito da Universidade de Brasília e pesquisadora do Anis - Instituto de Bioética; Silvia Chakian, Promotora de Justiça do Ministério Público de São Paulo e Ana Flávia D'Oliveira, médica sanitarista e professora da Faculdade de Medicina da USP. Além do Painel Fale Sem Medo mediado pela jornalista e apresentadora Astrid Fontenelle.

Confira a programação abaixo:

13h30 - 14h00 | Credenciamento
14h00 - 14h30 | Highlight Pesquisa Violência contra a mulher no ambiente universitário
14h30 - 15h15 | Apresentação painelistas
15h15 - 15h20 | Depoimentos
15h20 - 15h50 | Debate
15h50 - 17h20 | Palestra Internacional: Jackson Katz
17h20 - 17h30 | Encerramento
17h30 - 18h30 | Coffee de encerramento

O Fórum acontece no dia 3 de dezembro no Espaço Infinito na Av. Mofarrej, 167 – Vila Leopoldina – São Paulo/ SP a partir das 13:00h.

Transporte gratuito para o local do evento a partir da estação CEASA da CPTM (linha 9 – Esmeralda).

Tentaram Matá-la por Usar um Banheiro

Travesti usa banheiro feminino e é AGREDIDA COM BARRA DE FERRO na casa de shows Multi Place, em Campos dos Goytacazes, no Norte Fluminense:


Leia a estória completa em: http://blogs.odia.ig.com.br/lgbt/2015/11/24/travesti-usa-banheiro-feminino-e-e-agredida-com-barra-de-ferro-em-casa-de-shows

Toda solidariedade a Yasmin Fazolly, 27 anos. Que este episódio não passe impune.

É deprimente que ainda hoje seja questionado o direito das pessoas utilizarem o banheiro conforme o gênero com o qual se identificam.

ISSO É UM DIREITO HUMANO FUNDAMENTAL, NEGADO SISTEMATICAMENTE ÀS TRAVESTIS E MULHERES E HOMENS TRANS!!!

Vivemos o apartheid de gênero. Que o Supremo Tribunal Federal se conscientize disso e garanta a vida das pessoas trans!

terça-feira, 24 de novembro de 2015

I Seminário de Negras e Negros de Rio Grande


Nesta 5ª feira, 26/11, das 14h às 17h15, estarei na mesa Negras e Negros na Universidade, do I Seminário de Negras e Negros de Rio Grande "CONTRA A FANTÁSTICA FÁBRICA DE CADÁVERES, A FÚRIA NEGRA RESSUSCITA OUTRA VEZ - NÓS POR NÓS"

O debate ocorrerá na APTAFURG – Auditório Principal, Rua Padre Nilo Golo, 76 - Rio Grande/RS

Saiba mais em https://www.facebook.com/events/527092120783388

Quando me perguntaram o que eu sabia de mulheres negras trans


Meu novo artigo na Revista AzMina.
Leia aqui: http://azmina.com.br/2015/11/quando-me-perguntaram-o-que-eu-sabia-de-mulheres-negras-trans

#‎meuamigosecreto

‪#‎meuamigosecreto‬ publica mil artigos científicos sobre religiosidade de mulheres negras, faz palestras internacionais sobre violência contra a mulher, porém invisibiliza e, quando pode, oprime mulheres trans, principalmente se forem negras.

segunda-feira, 23 de novembro de 2015

A Contribuição do Transfeminismo para os Feminismos no Brasil


Nesta 2ª feira, às 10h30, farei a Conferência de Abertura da II Jornada Estudos de Gênero e História - ANPUH/RJ, na qual falarei sobre A CONTRIBUIÇÃO DO TRANSFEMINISMO PARA OS FEMINISMOS NO BRASIL.

Será no Arquivo Geral da Cidade do Rio de Janeiro, na Rua Amoroso Lima, 15 - Cidade Nova. Pertíssimo das Estações de Metrô Praça Onze e Cidade Nova.

A entrada é livre e gratuita.

sexta-feira, 20 de novembro de 2015

10 psicólogas negras que lutam por um mundo livre do racismo


Representatividade importa. Principalmente na área da Psicologia, marcada pela resistência ao debate sobre o racismo e suas implicações psicossociais. Pensando nisso, o Sindicato dos Psicólogos do Paraná (Sindypsi PR) preparou uma lista de psicólogas negras que atuam ou atuaram de forma relevante no combate ao racismo e a opressões de raça, gênero e sexualidade. É uma singela homenagem às mulheres negras da Psicologia nesse 20 de novembro, Dia da Consciência Negra.

Confira: http://www.sindypsipr.com.br/site/10-psicologas-negras-que-lutam-por-um-mundo-livre-do-racismo

Para mim é uma honra ser lembrada junto a essas mulheres e psicólogas maravilhosas. MUITO OBRIGADA PELO RECONHECIMENTO, Sindypsi PR!


Enegrecer a Psicologia! Lutar contra o racismo e a violência! AXÉ

TRANS NA 3ª CONFERÊNCIA ESTADUAL LGBT RJ


Todas, Todos e Todes TRANS estão convidadas/os/es a participar!
Quando? 04/12/2015, sexta-feira, a partir das 17h
Onde? Grupo Pela Vidda, Av. Rio Branco, 135 – Gr. 709

Participe do nosso grupo no Facebook: https://www.facebook.com/groups/1509924219335505/?fref=ts

Reunião aberta para qualificação da população trans acerca da III CONFERÊNCIA DE POLÍTICAS PÚBLICAS E DIREITOS HUMANOS PARA LÉSBICAS, GAYS, BISSEXUAIS, TRAVESTIS E TRANSEXUAIS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO e suas Etapas Regionais:

Regional I - Norte/Noroeste Fluminense - Sede: Macaé (13.12.2015)
Regional II - Serrana - Sede: Nova Friburgo (05.12.2015)
Regional III - Médio Paraíba - Sede: Volta Redonda (28.11.2015)
Regional IV - Costa Verde - Sede: Angra dos Reis (05.12.2015)
Regional V - Baixadas Litorâneas - Sede: Cabo Frio (20.12.2015)
Regional VI - Metropolitana I - Sede: Rio de Janeiro (12.12.2015)
Regional VII - Metropolitana II - Sede: Niterói (29.11.2015)
Regional VIII - Baixada Fluminense I - Sede: Duque de Caxias (19.12.2015)
Regional IX - Baixada Fluminense II - Sede: Nova Iguaçu (28.11.2015)

Informações sobre a III Conferência Estadual de Políticas Públicas e Direitos Humanos do Rio de Janeiro: http://migre.me/s0tAv
Inscrições: https://docs.google.com/forms/d/1cdLlwDHQDBcAFjBw-JJfQUVVxuvmWNLD7kxDtOQL2OU/viewform

quinta-feira, 19 de novembro de 2015

Banheiros para Novos Apartados?

Por oportunidade do julgamento no Supremo Tribunal Federal quanto ao direito das pessoas trans utilizarem o banheiro conforme a sua identidade de gênero (Recurso Extraordinário - RE 845779, saiba mais em http://www.stf.jus.br/portal/cms/verNoticiaDetalhe.asp?idConteudo=304438), derivado do direito à auto-determinação de gênero, no qual tive citado o meu e-book "Orientações sobre Identidade de Gênero: Conceitos e Termos" (https://www.sertao.ufg.br/n/42117-orientacoes-sobre-identidade-de-genero-conceitos-e-termos), revisito artigo que publiquei em 2012, na Revista Jurídica Consulex:



BANHEIROS PARA NOVOS APARTADOS?
Jaqueline Gomes de Jesus*

Na Universidade Federal do Rio Grande do Norte, em 20 de abril deste ano, L. A., doutoranda em Ciências Sociais, foi impedida por quatro agentes de segurança de utilizar o banheiro feminino, segundo denúncia de uma professora da instituição, porque é transexual.

L. A. foi imediatamente conduzida ao banheiro masculino, embora afirmasse que tinha o direito de fazer uso do outro. Em resposta, ouviu de um dos seguranças que ele lhe “arrancaria a cabeça” e, ainda, a “cortaria inteira em pedaços”.

A professora denunciante, reconhecida pesquisadora dos corpos e gêneros, defensora dos direitos das pessoas transgênero (transexuais e travestis), liderou importante mobilização na universidade contra essa violência, questionando até que ponto chegaria a discriminação na instituição: “Teremos que apresentar nossas certidões de nascimento para usar os banheiros da Universidade”?

Ao se manifestar, a instituição aventou a possibilidade de institucionalização de um banheiro unissex, o que não me parece solução, mas opção impensada pela criação de um espaço estigmatizado e apartado para cidadãos considerados de “segunda classe”.

Em outra situação correlata, a pensionista A. L., travesti, processou um shopping de Belo Horizonte por danos morais, pelo fato de ter sido impedida de usar o banheiro feminino sob a alegação de um segurança de que uma mulher que usava o toalete argumentou que se sentiu ofendida com a sua presença.

A. L. recebeu estupefata a decisão do juiz de primeira instância, segundo o qual o ato do shopping foi correto, pois visava “preservar a própria segurança e ordem no uso do banheiro público reservado às mulheres”. Infere-se das palavras desse magistrado que travestis são naturalmente perigosas, acarretam risco para si e para os outros, e que é justo excluí-las ou expô-las aos perigos de uma pessoa com aparência feminina usar um banheiro masculino.

Para o professor Luiz Mott, da Universidade Federal da Bahia, a restrição no uso do banheiro, pelo fato de a pessoa ser transexual, é plenamente discriminatória, além de que, aduz: “Imagine o ‘rebu’ que causaria Roberta Close entrando em um toalete masculino de shopping ou no ‘banheirão’ lotado de homens em um estádio de futebol! Nenhuma mulher é barrada no toalete por não ter útero ou ovários, por esconder a careca debaixo da peruca ou por ter os seios de silicone”.

A discussão sobre os direitos das pessoas transgênero é recente, se comparada à histórica discriminação de que elas são alvo: incompreendidas, excluídas do convívio social, assassinadas.

Conforme dados do Projeto Europeu de Monitoramento do Assassinato de Pessoas Transgênero, o Brasil é o país em que ocorre o maior número desses homicídios. Nos últimos três anos, foram 325 ocorrências, do total de 816 em todo o mundo. O distante segundo lugar é do México, com 60 crimes.

Uma das vítimas desta violência, no país, foi uma jovem de apenas 17 anos. Ela tinha se mudado recentemente da capital Aracaju para a cidade de Lagarto, no interior do Estado de Sergipe, para trabalhar como faxineira. Foi alvejada no meio de uma rua, no dia 27 de outubro de 2011.

Em questões fundamentais como o compartilhamento no uso de banheiros públicos, a repulsa e o ódio irrompem, em diferentes níveis. Mas há reações individuais e coletivas a essa triste realidade, cada vez mais criticada.

Em 2001, em um shopping da cidade de Londrina, a travesti M. M. foi repreendida por seguranças ao tentar fazer uso do banheiro feminino. Registrou boletim de ocorrência e, como resposta à sua denúncia por discriminação, o Promotor de Defesa dos Direitos e Garantias Constitucionais, Paulo Tavares, declarou que o caso poderia ser enquadrado no art. 3º, inciso IV, da Constituição Federal: “Compete ao Estado garantir o bem de todos sem preconceito de origem, raça, sexo, cor, idade e quaisquer outras formas de discriminação”.

É uma obviedade afirmar que as pessoas precisam ter acesso a um banheiro. Entretanto, vê-se que ainda há muitos casos de pessoas transgênero, especialmente mulheres transexuais e travestis, sendo impedidas desse direito, geralmente por autoridades desinformadas. A iniquidade no acesso ao banheiro público tem sido uma das maiores barreiras para a integração de homens e mulheres transexuais na sociedade brasileira.

Apartheid. A palavra, originada da língua holandesa sul-africana, significa “à parte”. Na África do Sul, o termo definia a política de segregação entre os brancos e aqueles apontados como “não brancos”, com base em uma filosofia que reivindicava a supremacia ariana. As pessoas eram obrigadas a ocupar espaços diferentes, em função da sua cor, inclusive banheiros. Historicamente, a falta de banheiros femininos foi uma estratégia para manter mulheres fora de espaços tradicionalmente dominados por homens. Ressalte-se que apenas à época da constituinte um banheiro feminino foi instalado para as deputadas no Congresso Nacional.

Essa é uma questão de gênero que vem se repetindo, especialmente, com relação a homens e mulheres transexuais, preconceituosamente considerados “inferiores” aos homens e mulheres biológicos**. A identidade de gênero é fundamental para a vida pública e privada de qualquer ser humano, independentemente da sua anatomia ou fisiologia. Não reconhecer essa vivência leva ao sofrimento e a diversos constrangimentos.

Como resultado de toda essa discriminação, e por se recusarem a utilizar um banheiro para pessoas de um gênero com o qual não se identificam, pessoas transgênero têm sofrido problemas graves de saúde e o impacto de sua individualidade no meio social em que convivem, podendo ser demitidos dos seus empregos ou forçados a abandonar cursos em escolas e universidades.

O depoimento de uma mulher transexual pode ilustrar as consequências dessa prática nefasta. Aterrorizada pelo medo de ser impedida de usar banheiros públicos e de ser agredida ao ter sua condição de gênero identificada, afirma: “Já gastei tantas horas evitando banheiros públicos que minha bexiga ficou danificada e meus rins ficaram pressionados. O problema é diário, tenho de pensar em quanto bebi durante o dia, e se encontrarei pessoas que poderão me ajudar”.

Especialmente as mulheres transexuais estão conscientes de que, na realidade brasileira, em que a violência policial pode elevar-se a ponto de ser considerada intolerável, em uma ocorrência as populações discriminadas podem ser agredidas fisicamente ou encaminhadas a forças policiais que não compreendem a questão transgênero; uma simples oposição pode levar a acusações de resistência ou quaisquer outras.

Os casos de proibição do uso de banheiro público evidenciam uma lógica de discriminação, cuja mensagem é a de que pessoas transgênero são percebidas como uma ameaça, ou que é normal serem agredidas por outras, ignorantes, com percepções evidentemente estereotipadas e inconstitucionais.

De outro modo, quando se submetem ao absurdo de utilizar um banheiro masculino, não raro se tornam alvo de agressões e de abuso sexual. Em outras palavras, não gozam das mesmas proteções legais destinadas aos demais cidadãos, o que é explicitamente desumano.

Nessa esteira, é indispensável reconhecer que locais de trabalho, escolas e outros espaços públicos e privados precisam tornar os banheiros acessíveis e seguros também para as pessoas transgênero. Essa é uma questão fundamental de acessibilidade e respeito ao ser humano.

Decerto, há honrosas exceções. Muitas instituições públicas e privadas têm compreendido as demandas da população transgênero e, ainda que ausente uma regulamentação para tal demanda, permitido o acesso aos banheiros em consonância com o gênero com o qual as pessoas se identificam. É preciso, porém, que os cidadãos preocupados com o avanço da democracia no Brasil estejam ainda mais atentos a eventuais violações de direitos fundamentais, decorrentes de puro preconceito.

* JAQUELINE GOMES DE JESUS é psicóloga e doutora em Psicologia Social e do Trabalho pela Universidade de Brasília (UnB).

** Com o tempo e o aprendizado vêm as adequações no vocabulário. Hoje não faz o menor sentido denominar as pessoas não-trans como "biológicas", até porque todos os seres humanos são biológicos. Atualmente, é comum e adequado o uso do termo "cisgênero" para se referir às pessoas que não são transgênero.

REFERÊNCIA:
JESUS, Jaqueline Gomes de. Banheiros para novos apartados? Consulex. Revista Jurídica, Brasília, v. 16, n. 375, p. 62-63, set. 2012.

Autonomia Corporal-Identitária e Engajamento Político

Encrespando 2015 - I Seminário Internacional "Refletindo a Década Internacional dos Afrodescendentes (ONU) 2015-2024"
Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro


A Ilusão da Instrução

"Uma das ilusões liberais é que a instrução, por si só, seja fator capaz de transformar a sociedade, quando sabemos que em países como o Brasil o problema só poderá ser solucionado pela conjugação entre educação e consciência política progressista"
(Antônio Cândido, 2002, p. 7. Em: Educação e Políticas Públicas (Organizado por Ivan Valente e Lisete Arelaro).


domingo, 15 de novembro de 2015

QUEM CHORA POR MARIANA?


Agora inventaram até terremoto em Minas Gerais. Daqui a pouco tem maremoto também. A Vale/BHP/Samarco está pagando muito bem seus especialistas, assessores de imprensa, professores universitários e demais formadores de opinião.

O programa Fantástico, da Rede Globo, abriu falando do morticínio em Paris. Pouco sobre o desastre ambiental por aqui mesmo.

O Palácio do Planalto, sede da Presidência da República, solidarizou-se com os franceses, iluminando-se nas cores do pavilhão francês. A Presidenta, horas depois dos atentados em Paris, pronunciou-se. Mas levou uma semana para ir a Mariana, e o Palácio não conheceu as cores de Minas Gerais.

Boa a consideração de um amigo mineiro: a Presidência deveria se pintar nas cores da lama de Mariana. Combinaria.

sábado, 14 de novembro de 2015

Lucas Aquino - Um Caso de Racismo Institucional?

Em 19 de setembro de 2015, por meio de seu perfil no Facebook, o estudante Lucas Ferreira de Aquino, do curso de graduação em Engenharia da Pesca da Universidade Federal do Ceará - UFC, denunciou postagens racistas por parte de colegas universitários. Acesse: https://www.facebook.com/falcao.bahia?fref=ts

Tomamos conhecimento do caso durante o XVIII Encontro Nacional da Associação Brasileira de Psicologia Social - ABRAPSO, realizado nas dependências da UFC entre os dias 29 de outubro e 2 de novembro de 2015.

Após encontro com o estudante, levamos a questão aos participantes do Simpósio “Relações de gênero, preconceito e direitos sexuais”, no último dia do encontro, onde aprovamos Moção de Apoio, disponível em http://www.encontro2015.abrapso.org.br/informativo/view?TIPO=&ID_INFORMATIVO=581

Você pode conhecer os signatários da moção em http://jaquejesus.blogspot.com.br/2015/11/mocao-de-apoio-estudante-e-solicitacao.html

Assista a este depoimento do Lucas, gravado com o apoio de Vicente Emanuel, estudante de Psicologia da UFC:



O vídeo também está disponível em https://youtu.be/XE8SJbO-8RQ

No momento, a situação está da seguinte forma, conforme mensagem do estudante, que abaixo transcrevo:


Essa semana obtive a resposta da UFC junto à Defensoria Pública da União, em carta eles relatam que se reuniram.
Com os agressores, sem a minha presença, se posicionaram a favor deles, validando uma carta feita pelo CA da pesca, onde relatam que tudo foi uma brincadeira, que eu estou vulgarizando o Racismo. Por conta do ato de escracho que fizemos, a presidente do CA registrou queixa contra mim na delegacia, a diretoria do Centro de Ciência Agrárias abriu um processo contra mim na Comissão de Ética da Universidade, a pedido do CA.
Estou arrasado com tudo isso.
Estou escrevendo para solicitar apoio, pois terei que levar o caso à mídia, a Reitoria de posicionou contra mim, validando a carta que diz que sou violento e ponho em risco a segurança de todos os estudantes da UFC.
Estou precisando de apoio social.
Para piorar, o processo que abri na Defensoria Publica da União foi arquivado.
O defensor entendeu que, embora o racismo se repercuta dentro da universidade, não é a mesma que faz essa prática. Que o caso é entre mim e os alunos, que devo procurar a delegacia, Ministério Público e justiça comum para ingressar com processo. Que embora a resposta da universidade não seja satisfatória para mim, ela se pronunciou e inclusive me encaminhou para atendimento psicossocial e em forneceu o colchão.
Em sua resposta, a UFC valida a carta criminalizadora que o CA da pesca fez contra mim, negando a existência de racismo, vulgarização do mesmo e distorção dos fatos, por conta do ato que fizemos no dia 1º de outubro.
Consta nos anexos da resposta um processo da diretoria que o Centro de Ciências Agrárias cadastrou na Comissão de Ética da UFC, a pedido do CA, com outra carta de denúncia e um boletim de ocorrência na policia civil, onde relatam que sou violento e perigoso, que temem pela sua segurança em frequentar o curso, solicitando urgentemente soluções para que a segurança de TODOS os estudantes da UFC seja garantida.

sexta-feira, 13 de novembro de 2015

VOZES DOS HOMENS TRANS


Semana que vem, no dia 18 de novembro, quarta-feira, participarei da 1ª Conferência Internacional [SSEXBOX] & Mix Brasil, em São Paulo, compondo mesa sobre transfeminismo com Helena Vieira, Inês Castilho, Luciano Palhano e Viviane V. (Conheça a programação aqui: http://www.ssexbbox.com/programacao-1a-conferencia-international-ssex-bbox-mix-brasil-de-sao-paulo-2).

Essa é a mesma cidade na qual o estudante Samuel Silva (Samuca), homem trans, foi expulso de uma faculdade particular após ter criticado uma prática docente e ter sido ridicularizado na internet e em sala de aula, tendo sido recorrentemente tratado no feminino.

Buck Angel, ator pornô e ativista trans norte-americano, é uma das figuras mais destacadas pelo evento, além das de outros homens trans, incluindo pessoas com história e atuação importantíssimas no Brasil, como o escritor e psicólogo João W. Nery.

Eles me fazem pensar que o transfeminismo é um campo de pensamento-ação que precisa de reflexões acerca da auto-representação dos homens trans.

Como deve ser do conhecimento dos meus leitores, sou contrária ao apagamento da fala de homens trans sobre feminismos (e quando digo "feminismos" incluo o transfeminismo, por redundância).

Até hoje encontrei poucas contribuições de homens trans às leituras transfeministas, dentre as quais destaco o excelente capítulo do amigo pesquisador André Guerreiro ao nosso livro Transfeminismo: Teorias e Práticas, sobre despatologização das identidades trans a partir da ótica dos homens trans.

Os homens trans, pela sua particular experiência de vida, têm muito a dizer acerca de dimorfismo de gênero e controle sobre os corpos. Eles foram lidos e performaram como mulheres durante um longo período, e geralmente continuam sendo vistos como mulheres mesmo após se reconhecerem e viverem como homens, o que é perverso, ou no mínimo tosco.

Por um tempo relevante da história da cultura trans - predominantemente oral e que ainda está para ser transcrita - as vozes dos homens trans foram silenciadas ou rotuladas como de lésbicas masculinas; conheçam a poesia e do martírio de Anderson "Bigode" Herzer. Ele vivia e cometeu suicídio em São Paulo.

Dentre os maiores desafios para um Sistema Único de Saúde realmente integral está o parto humanizado - e quiçá o direito ao aborto - de homens trans. Como esses cidadãos são/estão sendo/serão atendidos na depauperada rede pública? Imagine na privada (estou sendo propositalmente ambígua).

Se os discursos das travestis e mulheres trans que se prostituem são sistematicamente silenciados nos debates sobre os direitos das/os profissionais do sexo (putas, putos e putes), pensem quão ignorados devem ser os discursos dos homens trans que se prostituem.

E no que tange ao princípio da intersecionalidade (sempre escrevo essa palavra com um "c" a menos, pensando num português mais brasileiro e menos lusitano), em um país majoritariamente negro, no qual ainda hoje - literalmente - me perguntam se existem outras mulheres negras trans além de mim, evidencia-se o apagamento das ideias e iniciativas dos homens negros trans.

Lembro-de de uma conversa ano passado, num bar quase na Cracolândia, em Sampa, na qual, acompanhada de Leonardo Peçanha e Luciano Palhano, papeamos a respeito disso, com pesar.

Vale ressaltar ainda que, neste Brasil continental, existe vida e produção de pensares e fazeres para além do eixo Rio-São Paulo, e há mobilização séria de homens trans de Brasília (Lam Matos, Marcelo Caetano), rodando entre Uberlândia e Palmas (Bernardo Mota, FerNando Vieira), passando até no Pará, que aliás não luta só desde ontem, como nos lembra Raicarlos Coelho, militante histórico.

Todas e todos, cisgêneros e transgêneros, temos muito o que aprender, principalmente sobre novas masculinidades (ou até antigas, porém invisíveis), com os homens trans.

BASTA DE FEMINICÍDIO NEGRO!


BASTA DE FEMINICÍDIO NEGRO!

Recente estudo do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada - IPEA demonstra que o Estado brasileiro é ineficaz na proteção das mulheres negras e colabora efetivamente para a impunidade.

O assassinato de mulheres, em sua maioria, é por serem mulheres negras. O feminicídio tem cor. Veja os dados abaixo:

De cada 10 mulheres assassinadas no Brasil, 6 SÃO NEGRAS. De cada 10 mulheres assassinadas no Centro-Oeste, quase 7 são negras; No Norte, 8 são negras. No nordeste, QUASE 9 SÃO NEGRAS!

Em 10 anos (a Lei Maria da Penha foi promulgada em 2006), o número de mulheres brancas assassinadas caiu 10%. E O DE NEGRAS SUBIU 54%!

Leia o estudo "Violência contra a mulher: feminicídios no Brasil" em http://www.ipea.gov.br/portal/images/stories/PDFs/130925_sum_estudo_feminicidio_leilagarcia.pdf


BASTA DE FEMINICÍDIO NEGRO!

quinta-feira, 12 de novembro de 2015

DESAPARECIDA: LETÍCIA CAMPOS


Gente, um caso muito sério de desaparecimento no Rio de Janeiro, que pode envolver transfobia.

Não vou comentar os erros teóricos da matéria, e nem olhei os comentários, o importante é tentar encontrar essa moça, se possível sã e viva.

O nome dela é LETÍCIA CAMPOS, moradora da Praça Seca, na Zona Oeste. Foi a um pagode no domingo e saiu com um rapaz para o sítio dele na Vila Valqueire.

Saiba mais na matéria do G1, aqui: http://g1.globo.com/rio-de-janeiro/noticia/2015/11/transexual-some-no-rio-apos-sair-de-festa-com-rapaz-de-quem-omitiu-sexo.html

QUALQUER INFORMAÇÃO, LIGUE PARA 2202-0338

quarta-feira, 11 de novembro de 2015

ESCREVER E AGRADECER

Receber muito carinho, e agradecer afetuosamente, também é uma possibilidade no mundo virtual! Acho importante mostrar a todos, para que a beleza e força de nossa vida em rede seja mais reconhecida.

A internet é um vasto campo, onde podemos semear vida, beleza, resistência e superação. E assim nos fortalecemos.

Magô Tonhon, minha querida, mais uma vez te agradeço e abraço! Quando chegar em Sampa, também te dou uns beijinhos pessoalmente! Axé, minha irmã! O ouro de Oxum lhe cobre.

P.S: Pra quem não sabe a que texto ela se refere, é o QUANDO ME PERGUNTARAM O QUE SABIA DE MULHERES NEGRAS TRANS. Você pode lê-lo aqui: http://azmina.com.br/2015/11/quando-me-perguntaram-o-que-eu-sabia-de-mulheres-negras-trans


segunda-feira, 9 de novembro de 2015

Gênero e Psicologia Social no Brasil: Entre Silêncio e Diálogo


A Revista Barbarói, publicação interdisciplinar dos Departamentos de Ciências Humanas e Psicologia da Universidade de Santa Cruz do Sul – UNISC, acaba de publicar o artigo Gênero e Psicologia Social no Brasil: Entre Silêncio e Diálogo, escrito por moi e a amada Ana Lúcia Galinkin, eterna orientadora.

Acessível pelo link https://online.unisc.br/seer/index.php/barbaroi/article/view/4482/4410, ele abrange dados coletados ao longo do meu doutorado, concluído em 2010, e além.

Resumo
Com o impacto das teorias feministas no ambiente acadêmico brasileiro, e sua crítica a modelos tradicionais de investigação, o conceito de gênero tem sido cada vez mais abordado dentro dos diferentes ramos da ciência psicológica, mesmo que ainda seja tratado, de forma geral, apenas como uma variável, geralmente confundida com o sexo biológico, e não como um eixo estruturante de estudos sobre as relações sociais. O presente trabalho apresenta um estudo exploratório, com base em revisão bibliográfica de artigos científicos, sobre os usos do conceito de gênero na Psicologia Social brasileira. Foram identificados apenas 32 artigos na área de Psicologia Social em um universo de 161.363 artigos sobre gênero. Os resultados indicam que há poucos estudos de gênero focados nas questões psicossociais (0,01% da produção científica). Conclui-se que há a necessidade de se estimular estudos de gênero em Psicologia Social, a fim de explicitar os discursos psicossociais acerca dos sujeitos e das relações grupais, com enfoque de gênero.
Palavras-chaveEstudos de gênero; psicologia social; produção científica

Referência:
JESUS, J. G., & GALINKIN, A. L. (2015). Gênero e psicologia social no Brasil: entre silêncio e diálogo. Barbarói, 43(1), 90-103.

SOBRE IMPUNIDADE E RECOMPENSA AOS RACISTAS

Em setembro de 2012, a professora Daniela Cordovil, da Universidade Estadual do Pará - UEPA, insultou um segurança da universidade, chamando-o de "macaco" (o ocorrido foi gravado em vídeo), leia a memória aqui: http://arquivo.geledes.org.br/racismo-preconceito/racismo-no-brasil/15574-professora-de-religiao-afro-da-uepa-daniela-cordovil-chama-seguranca-de-macaco-no-para

Pois bem, o programa Fantástico, em matéria sobre recentes atos de racismo contra pessoas negras de destaque (Taís Araújo, Michel Bastos e outros), acabou de mostrar que essa professora CONTINUA LECIONANDO NA UEPA, ENQUANTO O SEGURANÇA FOI DEMITIDO: http://g1.globo.com/fantastico/videos/t/edicoes/v/atriz-tais-araujo-e-jogador-de-futebol-michel-bastos-sao-vitimas-de-racismo/4594698


Em nota, a instituição afirmou que não foi encontrada qualquer ocorrência que desqualificasse a professora para a docência.


Pois é. Nessas horas, esta afirmação de Indianara Alves Siqueira se auto-explica: "Vocês querem transformação? Então fechem as universidades e abram puteiros, que aprenderão muito mais sobre revolução".

Aliás, sobre este caso nefasto de racismo apoiado pela instituição, Indianara deu o seu recado:


sábado, 7 de novembro de 2015

Sobre Inteligência Artificial e Afetos


Relendo uma antiga e breve reflexão que fiz, sobre a necessidade de uma Inteligência Artificial em interagir com seres humanos:

"...no campo da informática, o conhecimento científico do funcionamento dos mecanismos afetivos encontra espaço na pesquisa e desenvolvimento de software. (...) devem a teorias básicas sobre afetividade o desenvolvimento de "atores" virtuais em um jogo que mimetiza o mundo "real", de modo a conferir aos personagens características de personalidades que sejam reconhecidas pelos seres humanos com propriamente humanas, com o fim de atrair os jogares reais às oportunidades disponibilizadas pelo entretenimento; nesse aspecto, ambientes virtuais como esse, a televisão (analógica, mas principalmente a digital) ou a internet, entre outros, se apresentam à contemporaneidade como anteparos para relações entre o eu e o outro, que pode não ser humano, mas apresentar características comunicativas humanoides" (Jaqueline Gomes de Jesus, "Atração e repulsa interpessoal", in "Psicologia Social: Principais Temas e Vertentes", 2011, p. 247).

Em suma, apresento a ideia, que pode ser desenvolvida, de que se deve atribuir aparência e expressões faciais "humanas" a robôs, caso a intenção seja a sua interação conosco.

Não basta serem espertos, devem ser atraentes e com elevada capacidade de comunicação não-verbal.

terça-feira, 3 de novembro de 2015

E-book dos Simpósios do XVIII Encontro Nacional da ABRAPSO


Saiu o e-book dos Simpósios do XVIII Encontro Nacional da ABRAPSO - Associação Brasileira de Psicologia Social.
Acesse aqui: http://www.encontro2015.abrapso.org.br/informativo/view?TIPO=&ID_INFORMATIVO=576

Eu contribuo com o capítulo LIÇÕES PARA UMA PSICOLOGIA DAS OPRIMIDAS (pp. 209-219).

segunda-feira, 2 de novembro de 2015

MOÇÃO DE APOIO A ESTUDANTE E SOLICITAÇÃO DE PROVIDÊNCIAS

Nós, participantes do Simpósio "Relações de gênero, preconceito e direitos sexuais" do XVIII Encontro Nacional da ABRAPSO, declaramos apoio ao estudante Lucas Ferreira de Aquino, que relatou estar sofrendo perseguições de cunho racista na UFC.

Solicitamos providências da reitoria da universidade no que tange à garantia da permanência qualificada do referido estudante e no que se refere a iniciativas concretas de enfrentamento ao racismo institucional.

Fortaleza/CE, 2 de novembro de 2015.



domingo, 1 de novembro de 2015

Relações de Gênero, Preconceito e Direitos Sexuais


Nesta segunda-feira, 2 de novembro, Dia dos Finados, participarei do simpósio "Relações de gênero, preconceito e direitos sexuais", durante o XVIII Encontro Nacional da ABRAPSO. Somos:

Coordenadora: Maria Juracy Filgueiras Toneli (UFSC)
Jaqueline Gomes de Jesus (UNB, agora UFRJ)
Benedito Medrado (UFPE)
William Siqueira Peres (UNESP/Assis)

Será das 13h30 às 16h30, no Instituto de Cultura e Arte - ICA/UFC, Campus Pici. É aberto para quem quiser assistir e debater. Se não puder ir, ajude a divulgar.

sábado, 31 de outubro de 2015

Obrigada a tod@s que prestigiaram os lançamentos em Fortaleza!


Quem ainda quiser comprar os livros Homofobia: Identificar e Prevenir e Transfeminismo: Teorias e Práticas, sobraram uns quatro. Se me virem no evento (XVIII Encontro Nacional da ABRAPSO - Associação Brasileira de Psicologia Social), domingo e segunda-feira, podem comprar comigo, se ainda os tiver.

Na falta, vocês podem acessar a loja virtual da Metanoia Editora, e comprar lá: http://www.metanoiaeditora.com/loja

Lançamento de Livros no Encontro da ABRAPSO

HOJE tem lançamento da 2ª edição do TRANSFEMINISMO: TEORIAS E PRÁTICAS e do meu novo livro, HOMOFOBIA: IDENTIFICAR E PREVENIR, aqui no XVIII Encontro Nacional da ABRAPSO - Associação Brasileira de Psicologia Social.

Será a partir das 16h30, no Centro de Convivência do Campus Pici da Universidade Federal do Ceará.

Os primeiros 5 compradores ganharão bottons!

quinta-feira, 29 de outubro de 2015

18º Encontro Nacional da ABRAPSO


Até segunda-feira participarei do 18º Encontro Nacional da ABRAPSO - Associação Brasileira de Psicologia Social, em Fortaleza, cujo tema, este ano, será "Psicologia social e os atuais desafios ético-políticos no Brasil". Saiba mais em http://www.encontro2015.abrapso.org.br

No sábado, das 16h30 às 18h, lançarei a 2ª edição do "Transfeminismo: Teorias e Práticas", e o meu novo livro, "Homofobia: Identificar e Prevenir".

Pra quem não for, nós nos revemos na 3ª feira. Beijas e aproveite o feriadão!

terça-feira, 27 de outubro de 2015

Visita ao Prepara NEM

Meu primeiro encontro com a turma do Prepara NEM.

Foi lindo e revigorante estar e conversar com tantas e tantos jovens trans empoderad@s!


Clique aqui ,  aqui e aqui para saber mais sobre o projeto.

segunda-feira, 26 de outubro de 2015

Autodeterminação de Gênero vai ao Supremo Tribunal Federal

Entendo como um reconhecimento do meu trabalho intelectual, uma certificação da função social do meu saber-fazer, quando trechos de um escrito meu são utilizados, em parecer do Procurador-Geral da República, para fundamentar o direito à autodeterminação de gênero.

Clique para ler a notíciaPGR defende autodeterminação de gênero em parecer enviado ao STF

Abaixo, os trechos onde sou citada: